Visitante

Olá visitante. Cadastre-se | Entre | Esqueci minha senha

OK Esqueci minha senha


Você está em: Sobrenatural.Org -> Matérias Especiais -> OSNI - Objeto submarino Não Identificado


Matérias - Enviado dia 21 de Novembro de 2004

OSNI - Objeto submarino Não Identificado

Algo se passa no fundo dos oceanos e mesmo em plácidos lagos e rios de todo o mundo. Estranhos objetos e criaturas têm sido frequentemente observados na superfice da água e dentro dela.



Algo se passa no fundo dos oceanos e mesmo em plácidos lagos e rios de todo o mundo. Estranhos objetos e criaturas têm sido frequentemente observados na superfice da água e dentro dela. O governo dos Estados Unidos tem levado essas observações mais a sério do que os agora rotineiros discos voadores dos nossos céus. Em janeiro de 1969 a Marinha revelou a existencia dum muito secreto submarino nuclear chamado NR-1 . Custou perto de 100 milhões de dolares e tem uma tripulação de sete pessoas. Um submarino nuclear convencional tem uma equipagem de cem pessoas. Para que é que precisamos dum submarino de sete homens que custou 100.000.000 de dolares americanos? A Marinha disse que era para "explorar as possibilidades comerciais e militares do fundo dos oceanos".


Acima, fotos feitas do NR-1 em 1969 e outra em 1986, respectivamente.

O NR-1 está equipado com um vasto fornecimento de luzes submarinas, câmaras de televisão e de cinema e outros numerosos artigos da era espacial, incluindo braços mecanicos . O submarino pode operar em profundidades de até seiscentos metros.
Originalmente pensava-se que custaria apenas 30 milhões de dolares, mas viu-se que só o submarino custou 67, 5 milhões de dólares para construir. Mais 11, 8 milhões de dolares foram para "a pesquisa e desenvolvimento". E aquelas câmeras de TV e braços mecanicos chegaram a 19,9 milhões de dolares. Então o projeto foi classificado de "Top Secret" e podemos apenas pensar que sete homens andam nele algures por aí, sondando o slo do oceano e fotografando as estranhas criaturas que aí vivem. É mesmo possivel que estejam à procura de outros super-submarinos de origem desconhecida. Há muitas provas de que tais super-submarinos existem mesmo.

Numerosas expedições oceanográficas apanharam perplexantes anomalias submarinas nos seus instrumentos por todos os anos
60. Brilhantes objetos metálicos maiores do que algum submarino conhecido vieram até à superfice nas costas da Austrálias e da
América do Sul, inspirano uma extensiva e infrutifera pesquisa militar pelo ar e pelo mar. Alguns dos objetos submarinos interceptados pelo sonar estavam a viajar a velocidades impossiveis , demasiado depressa para algum peixe conhecido ou submarino feito pelo homem.

Sabemos agora mais sobre a Lua do que sobre o Oceano Atlantico. Quatro quintos do nosso planeta são agua, e nós apenas exploramos e mapeamos uma diminuta seção dela. De tudo o que sabemos, o oceano poderia estar cheio de organismos vivos extremamente complexosdum tamanho e natureza que atrofiam a imaginação dos nossos escritores de ficção cientifica. Há mesmo um pequeno culto de OVNI que crê na realidade que sobreviventes da "Perdida Atlântida" vive em esplendidas cidades nos fundos do mar .

A existencia da Atlantida permanecerá discutível , mas nós sabemos que há estranhos objetos mecanicos e forma animais nos fundos dos oceanos. Cientistas do navio oceanográfico Eltanin mandaram uma câmara especial para o fundo numa série de expedições em 1964, a Oeste do Cabo Horn , e à profundidade de 4050 metros, e fotografaram uma bizarra peça de tecnologia inexplicável até hoje. Era uma máquina que parecia complicada com paus ou antenas saindo dela. "Não gostaria dizer que esta foi feita pelo homem" , disse o Dr. Thomas Hopkins, um dos descobridores , "porque isso levantaria o problema de como foi aí parar!"


Fotografia feita pelo navio Eltanin em 29 de Agosto de 1964
(maiores informações sobre este caso podem ser encontrados no web-site:
http://www.forteantimes.com/articles/183_eltanin1.shtml )

Outras expedições equipadas com câmaras semelhantes fotografaramgigantescas pegadas com três dedos nos sedimentos do solo oceanico. Algo enorme e desconhecido parece passear por aí à vontade.

Nós desenvolvemos um, supostamente à prova de fraude, aparelho conhecido por "Simrad", que é uma sofisticada forma de sonar e é usado para mapar o relevo dos oceanos. No principio de 1969 o M/V Mylark estava a cruzar o Estreito Raspberry, no Alasca, quando o "écran" do "Simrad" formou uma espantosa imagem. Em algum lugar a cinquenta e cinco toesas ( cerca de noventa metros) por debaixo do barco , uma criatura com sessenta metros de comprimento, quase com a forma dum extinto dinossauro, estava a passear. Especialistas eletrônicos verificaram o aparelho e não puderam achar nada de errado ou a funcionar mal nele. Os cientistas foram forçados a dizer descontentes que o animal devia ser real. Mas o que era? Talvez se passe muito tempo antes que tenhamos uma resposta para esta pergunta.

As Marinhas da Argentina, Brasil e Venezuela têm frequentemente sido mobilizadas para frustrantes procuras de misteriosos submarinos. A mesma espécie de naves não identificadas apareceram perto da Austrália e da Nova Zelandia , confundindo as testemunhas peritas que não os puderam identificar como sendo alguns submarinos americanos ou soviéticos conhecidos. A 12 de janeiro de 1965 , o piloto dum DC3 viu um estranho objeto alongado num pouco profundo porto perto de Helensville, Nova Zelandia. Ele desceu um pouco para ver mais de perto, pensando primeiro que era uma baleia branca-acinzentada que tinha dado à costa. Mas quando se aproximou viu que era alguma espéci de estrutura metálica . Aqui esta a sua descrição:

"Era perfeitamente aerodinamica e simétrica na forma. Não tinha nenhuma superfice de controle exterior ou protuberancias. Parecia ser metálico e havia a sugestão duma vigia no topo, de forma esguia, não bem a meio do corpo contando a partir do nariz. Estava a descansar no fundo do estuário e dirigia-se para o Sul. A forma não era a dum submarino vulgar. O seu comprimento foi estimado em trinta metros com um diametro de quatro metros e meio na parte mais larga. O objeto não estava a mais de seis metros de proundidade e a nave via-se muito bem".

As autoridades navais disseram que o objeto não poderia ser um submarino convencional porque o estuário era inacessível. Escrevendo na revista Spaceview (Fev./Mar. 1966) , o Sr. H. J. Hinfeelar sublinhou várias outras observações desses enigmáticos não-submarinos nas águas da Nova Zelandia. Dois pescadores, R. D. Hanning e W. J. Johnson, disseram ter visto uma dessas coisas a umas centenas de metros das Ilhas Bugged na parte Sul da Nova Zelandia , às 11:30 da manhã de 13 de novembro de 1965. Levantou-se da água a cerca de trezentos metros do seu barco Eleoneai , e "a sua estrutura conica" levantou-se aproximadamente quatro metros e meio acima do nível da água. Nenhum periscópio , balaustrada ou outra configuração convencional era vísivel. Depois duns segundos a água começou a borbulhar e a coisa desapareceu. As testemunhas relataram este acontecimento às autoridades navais. O Deputy Chief of Naval Staff disse mais tarde que "era muito pouco provável que o objeto --- ou o que pudesse ser --- fosse um submarino , porque não iria operar numa zona cheia de rochas, um grande perigo submarino. Além disso não havia nenhuma razão ógica para um submarino estar nessa área"

Os submarinos soviéticos e americanos obedecem de modo geral cuidadosamente às leis internacionais. Não é provavel que invadam as águas territoriais de paises neutros, e certamente não se meteriam em portos movimentados, nem chamariam a atenção, para se tornarem oresas de massivas caças submarinas. No entanto, nos ultimos anos, tem havido vários episódios em que misteriosos submarinos se meteram em manobras tão ousadas que foram perseguidos por toda a Marinha dos países sul-americanos. Em vários desses casos , essas Marinhas ficaram convencidas que tinham cercado o submarino em alguma angra ou porto para afinal o verem derreter tão misteriosamente como tinha aparecido.

No principio de setembro de 1969, segundo a Reuter, a Marinha sueca foi chamada para caçar "um misterioso submarino observado numa área proibida de arquipélago de Estocolmo ". Destroiers e navios da guarda costeira selaram a área convencidos que tinham algo completamente preso. O que quer que fosse , escapou.

Há agora milhares de relatos de objetos voadores não identificados saindo do céu e mergulhando em lagos, rios e oceanos . Muito desses acidentes provocam maciças pesquisas de aviões caidos mas, sem exceção, nenhum traço do objeto submerigido foi alguma vez encontrado. Num caso típico as testemunhas viram um grande e brilhantemente iluminado objeto repentinamente saltar para a agua --- muitas vezes sem nenhum "splash". Em inumeráveis casos, grandes multidões de pessoas têm observado este fenomeno. Embora estranho , o fenomeno tem o hábito de se repetir no mesmissimo lugar. Os meteoros e outros objetos naturais não seriam e não poderiam ser tão seletivos.

A Nova Escócia, cheia de monstros, teve várias dessas observações ao longo dos anos. As numerosas observações de peculiares luzes aéreas à volta da Nova Escócia em setembro de 1967, pareceram chegar a um climáx na quarta feira, 4 de outubro, quando testemunhas à volta do Porto de Shag viram um grupo de luzes que piscavam , desciam e atingiam a agua. Uma multidão reuniu- e pelas praias para ver uma das luzes brilhar por debaixo das negras aguas. Membros da Royal Canadian Mounted Police chegaram ao local da cena e também viram as luzes. "Depois de ter batido na água , nós fomos chamados à cena" , disse a um reporter o agente Ron O'Brien. "Vi uma luz a flutuar na àgua a cerca dum quilometro da costa."

Foram mandados barcos para o lugar, supostamente para fazerem algum salvamento , mas tudoo que encontraram foi uma esteira de água borbulhante e espuma com cerca de vinte e quatro metros de largura. O capitão Bradford Shand disse que era de cor amarelada e nunca tinha visto algo como isso. Outras testemunhas apareceram , contando histórias corroborativas de terem visto um escuro objeto com dezoito metros de comprimento com uma série de luzes que batiam na superfice da água, flutuar durante alguns minutos e depois afundar-se para fora da vista. Foram trazidos mergulhadores para a área e foi feita uma procura sistemática. Nada foi encontrado.

Fort, Farish e muitos outros pesquisadores descobriram relatos de OVNI que entraram dentro da agua, datando do século dezenove e mesmo mais cedo. Mas , como a maioria dos outros aspectos do fenomeno OVNI , estes dados nunca foram propriamente colecionados, catalogados , indexados e colocados na perspectiva certa. Cultistas de orientação religiosa voltam-se para a Biblia e usam o Apocalipse ( VIII:10-11) para a sua explicação:

". . . e caiu do céu uma grande estrela , a arder como um facho , e caiu sobre a terça parte dos rios e sobre as fontes das aguas; e o nome da estrela é Absinto; e a terça parte das aguas converteu-se em absinto; e muitos homens morreram por causa daquelas aguas, porque se tornaram amargosa."

A 23 de maio de 1969 , segundo a policia de Nun's Island, três testemunhas viram "um brilhante objeto com luzes vermelhas que
piscavam " mergulhar do céu e despaprecer nas águas do rio S. Lourenço. Uma busca superficial foi organizada e, como de costume, nada foi encontrado no lugar.

Na América do Sul, muitos boatos andavam à volta de Cusco, Peru, sempre uma atarefada "janela" de OVNIs. Vagos relatos afirmaram que mais de trinta OVNIs tinham sido vistos a mergulhar num lago perto de Cusco. Pode ser uma coincidencia que o famoso oceanógrafo Jacques Cousteau chegasse à area em 1969, juntamente com o seu pequeno submarino. Passou várias semanas a mergulhar no lago da montanha ( Lago Titicaca) para ver os peixes locais, mas a sua presença excitou uma nova vaga de boatos sobre OVNI. Alguns entusiastas pretenderam que o governo tinha contratado Cousteau para procurar discos afundados. Aparentemente ele não encontrou nenhum.

Este texto está necessáriamente mais preocupado com estranhas criaturas do que com estranhos objetos. Encontrarão muitas outras referencias a interessantes casos na água na vastissima massa de literatura de OVNI que é acessivel atualmente. Existem muitos relatorios sólidos descrevendo como enormes objetos, particularmente objetos com forma de charutos, foram vistos a erguer-se da água onde tinham estado aparentemente submersos, manobraram sobre um navio cheio de testemunhas espantadas e depois voaram para as estrelas. Houve uma interessante vaga de tais acontecimentos em 1930, parecendo concentrar-se nas latitudes a Norte.

Tudo indica que sólidos objeros metálicos de origem desconhecids estão abertamente a operar em todos os nossos oceanos, talvez mesmo escondendo-se aí. Em anos recentes os Estados Unidos têm organizado várias elaboradas e caras expedições oceanograficas , em algumas delas mandando astronautas para o fundo dos mares! Esses projetos expandirão certamente o nosso conhecimento dos corpos terrestres da água e podem eventualmente fornecer-nos algumas inesperadas respostas a esses outros mistérios.

O aparecimento de objetos estranhos no Triangulo das Bermudas não parece ser algo incomum . Centenas de relatos sobre objetos aéreos ou submersos, tem gerado livros e reportagens na mídia sobre esta area do nosso planeta. Uma das histórias mais estranhas a respeito do Triangulo das Bermudas ocorreu com os Wingfield, em outubro de 1973. Até hoje, não foram capazes de esquecer um só detalhe da experiencia .

O casal zarpou do porto num dia claro e fresco em direção a um ponto situado a cerca de sete milhas de Boca Raton. O mar estava azul quando atiraram as linhas e começaram a arrastar as redes . Por volta das duas da tarde, Jean viu pela primeira vez uma nuvem de fumaça alongando-se como uma fita contra o horizonte.

Sem se preocupar com o fato, baixou seu chapéu sobre os olhos e contemplou as pequenas ondas diante dela. Ainda não fazia frio, mas o dia estava fresco e lindo, cheio das promessas estimulantes do fim de outubro.Jean olhou para o horizonte mais uma vez. O rolo de fumaça continuava lá, delineado contra o céu, no mesmo ponto.

"Lloyd., Lloyd --- chamou Jean --- de onde voce acha que está vindo aquela fumaça? Está naquele lugar sem se mover há mais de quinze minutos."

Lloyd cobriu os olhos contra o sol e olhou. "Engraçado, não pode estar vindo da chaminé de um cargueiro do contrário, estaria em movimento."

"Certo --- concordou Jean --- não esta em movimento . Vem sempre do mesmo lugar, sem dúvida alguma"

"Pode ser uma embarcação incendiando-se. Vamos pôr o rádio na frequencia de emergencia ; talvez a gente pegue alguma coisa.
Deve haver alguém lá precisando de ajuda..

Ös Wingfield ouviram com atenção. Não havia sinal de um SOS sendo enviado pela frequencia de emergencia da Guarda Costeira.

"Não é estranho? --- comentou Jean --- a que distancia de nós você acha que deve estar? "

Lloyd franziu os olhos. "Oh, eu diria a dez ou doze milhas para o norte." Depois , olhou com atenção à sua volta . "O vento está
vindo de nordeste, soprando a fumaça para sudeste."

Marido e mulher ficaram em silencio por alguns minutos , enquanto observavam a fita de fumaça levantando-se no céu, bem acima
da agua.

De repente . olharam um para o outro , os dois com o mesmo pensamento: "Vamos até lá ver o que há"

O casal navegou em direção à fumaça despreocupadamente, embora a curiosidade fosse agora mais forte do que o interesse pela
pesca. Após algum tempo , o casal puxou as linhas para dentro e aumentou a velocidade; quanto mais se aproximavam mais tinham a impressão de que se tratava de um barco em chamas. Lloyd verificou mais uma vez a freqüência de emergência . Nada. Era de surpreender . É dificil de compreender. Por que não enviavam a mensagem que era de se esperar --- "Mayday"? Somente quando a embarcação chegou a algumas centenas de jardas de distancia , o casal percebeu pela primeira vez que não havia nenhum barco em chamas --- somente fumaça saindo ( e era absolutamente inacreditavel ) do próprio oceano!

Aproximaram-se mais ainda até chegar a uma centenas de pés do rolo de fumaça . O que viram deixou-os atônitos. Um cano de oito a dez polegadas ( 20 a 25 cms ) de diametro saía diretamente do oceano e vomitava chamas vermelhas e fumaça amarela! Os Wingfilds andaram à volta do cano.

"Deus do Ceú --- murmurou Lloyd --- veja o angulo do cano . Deve estar ancorado em alguma coisa lá embaixo na água . . .
Mas, assim mesmo, não é possivel. Como poderia ser isso? Estamos em águas com mais de 1000 pés de profundidade!"

Jean sacudiu a cabeça sem dizer uma só palavra . Os dois se olharam em silêncio.

"Não gosto disso --- disse Jean --- vamos ficar aqui, nada de ir para mais perto."

"Não se preocupe, querida. Não estou entendendo o que é isso, mas de uma coisa estou certo: não vamos tentar nenhuma
investigação."

Assim que o barco completou sua volta em torno do cano, Lloyd desligou o motor. Tranquilamente, a embarcação boiou sobre as ondas, para cima e para baixo. Os Wingfield olhavam para frente, num silencio intrigado. O cano parecia ser de cor amarela, contrastando vivamente com o vermelho intenso das chamas.

"Ë positivamente estranho!" --- exclamou Jean.

"Nenhum odor" --- acrescentou ela..

"Exato. Muito estranho, não é?" perguntou Lloyd , olhando para a mulher.

Os dois continuaram a observar o fenomeno em silencio. Lentamente, as chamas e a fumaça à frente deles começaram a diminuir. Em pouco tempo , tinham desaparecido completamente. Finalmente , não havia mais nada a não ser um pedaço de cano amarelado saindo das águas revoltas. O cano estava imóvel

Os Wingfield se puderam em movimento . Naquela altura , a corrente do golfo já os havia arrastado para um ponto a cerca de 18 milhas ao largo da costa de Delray Beach. Estavam a uma hora e meia de casa.

"Vamos embora" --- disse Jean, a voz vibrando na tarde fria.

"Certo, comandante!" --- respondeu Lloyd, e dirigiu o barco rapidamente de vlta ao porto.

Mas, as aventuras ainda não tinham terminado. Um outro fato estranho foi observado por eles na sua jornada de volta para a casa. Quando estavam a meio caminho entre Boca Raton e Hillsboro Inlet, um helicóptero, viajando acima deles , começou a mostrar sinais de estar com problemas a bordo. O motor crepitava e falhava. O piloto baixou o aparelho rapidamente , fazendo-o pousar sobre as águas com um ronco. Os Wingfield continuaram a viagem . Já tinham tido bastante contratempos.

Mas, pouco antes de alcançar Hillsboro Inlet, o casal testemunhou outro caso de emergencia. Um navio da Guarda Costeira estava rebocando um iate de 5 pés de volta ao porto. Quando estava a uma distancia de 300 jardas da terra o iate rebocado começou a submergir e, em poucos instantes , desapareceu sob as águas!

"Problemas perfeitamente rotineiros, estamos certos disso, mas, depois do que vimos no oceano, aquele cano e tudo só." --- Comentou Jean Wingfild, mais tarde . O incidente pareceu a ambos tão estranho e, ao mesmo tempo, tão inacreditavel que jamais foram capazes de relata-lo à Guarda Costeira.

"Eles teriam rido de nós , como se fossemos dois doidos" --- disse Lloyd Wingfield.

O que naturalmente nenhum membro da Guarda Costeira seria capaz de negar. Essa atitude , entretanto, não é de maneira alguma útil para a solução do mistério do que aconteceu naquele dia de outubro de 1973. Mas , à medida que mais histórias desse tipo forem aparecendo e um maior número de investigaçoes honestas forem sendo feitas , torna-se mais provável o esclarecimento dos mistérios do Triângulo.

Fontes:

- Eles Enfrentaram o Triangulo do Diabo de Adi-Kent - Artenova

- Estranhas Criaturas do Tempo e do Espaço de John Keel. - EDILIVRO.


Veja mais sobre OSNI


Avalie Comente Marque como Favorito Recomende

Opiniões

5 Comentário(s).

Mostrando Opiniões




Comente

Somente usuários logados podem enviar opiniões...

Você já é um usuário cadastrado no site Sobrenatural.Org? Se sim, faça seu login abaixo. Caso contrário, clique aqui para efetuar o cadastro.

QUEM ENVIOU ESTE CONTEÚDO:

Adriano Vitor Quim

Adriano Vitor Quim

NOSSO CANAL NO YOUTUBE


ESPECIAL ASSOMBRADO.COM.BR


NOSSO BLOG



PUBLICIDADE

PRODUTOS DA LOJA SOBRENATURAL

DIRETO AO ASSUNTO

INTERATIVAIDADE

http://bs.serving-sys.com/BurstingPipe/adServer.bs?cn=tf&c=19&mc=imp&pli=8942288&PluID=0&ord=[timestamp]&rtu=-1